Raio: Desligado
Raio:
km Até onde deseja procurar, à sua volta?
Pesquisar

A Saudável Autoestima

A autoestima começa a ser construída precocemente na vida e está relacionada com o conjunto de ideias que a criança possui a respeito de quem ela é e de como se encaixa na família e na sociedade, sempre a partir da imagem que os pais ou pessoas próximas têm dela.  Ninguém nasce com uma boa ou má autoestima. Não temos uma noção de nós mesmos como traço inerente. Tudo isto é feito através de um processo construtivo gradual e transversal ao desenvolvimento total da pessoa.

No entanto, e como sempre, a infância prova ser um momento determinante neste processo. A autoestima é modelada através da forma como a criança recebe afeto, ou pela maneira como é incentivada a testar novas possibilidades e a lidar com os possíveis erros que o processo de aprendizagem acarreta. A forma como educamos as crianças e os valores que lhes transmitimos influenciam a noção que têm de si mesmas. A criança que sente que é amada e respeitada pelos pais aprende a valorizar-se e esse processo estende-se até a vida adulta. As crianças formam uma boa autoestima quando os pais ou pessoas significativas demonstram acreditar na capacidade delas, dando-lhes oportunidade de experimentarem as suas aptidões e dificuldades.

Na vida adulta, este conjunto essencial de crenças e de sentimentos que ganhámos de nós próprios influencia a nossa motivação, o nosso comportamento e as nossas emoções.  Cada pessoa que atinge um objetivo pretendido experiencia um sentimento de realização que vem reforçar a autoestima – desenvolvendo uma ideia positiva em relação às suas próprias capacidades. Ao mesmo tempo, cria-se um autoconceito baseado em interações com as outras pessoas – recebendo elogios e motivação por parte dos outros. É por isso que o envolvimento dos pais é fundamental para ajudar a criança a desenvolver uma perceção saudável. A autoestima saudável de uma criança desenvolve-se quando todo um equilíbrio é atingido:  toda a criança procura afeto, aprovação e reconhecimento junto dos seus educadores e pessoas significativas. Quando algum destes elementos lhe é negado, a criança sofre, coloca-se em causa, podendo mesmo sentir-se indesejada no meio onde se encontra. Importante será, também, considerar que a autoestima é construída pelo elogio realista. Vivemos cada vez mais numa sociedade que premeia e elogia a mediocridade, em vez de procurar pelo talento específico, pela capacidade exclusiva, pelo especial que existe de um modo diferente e singular em todos nós. Precisamos, cada vez mais, de modelos de excelência, para levar as nossas crianças a sonharem-se como pessoas mais completos, com mais brio e amor próprio. O modelo não pode ser medíocre. Os pais são, portanto, a principal influência no modo como as crianças se sentem relativamente a si próprias. Estas serão sempre um reflexo dos seus modelos. É, também, essencial que se sintam amadas, apoiadas e aceites para adquirirem uma autoestima sustentada e elevada, de modo a enfrentarem os seus desafios, propondo-se à realização de sonhos e resistindo melhor à frustração. Pais saudáveis criam crianças saudáveis, que se tornarão adultos e pais saudáveis. E com saudáveis queremos dizer conscientes e atentos. Post hoc ergo propter hoc – depois disso, logo causado por isso. Este é o ciclo a manter – produtor da melhor e mais concertada autoestima.

 

Anastácia Costa – Psicóloga Clinica e da Saúde

Sobre Anastacia Costa

Licenciada em Psicologia e Mestre em Psicologia Clínica e Saúde pela Universidade Católica Portuguesa de Braga. Experiência com todas as idades.
Voltar para o Topo

Nota: Os artigos e notícias são da inteira responsabilidade dos parceiros que os escrevem e cuja identificação aparece junto aos mesmos. O Portal da Saúde Mental não interfere com as opções técnicas e científicas dos profissionais e instituições registadas no Portal.

Ao navegar neste site, concorda com a nossa política de cookies. saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close