Raio: Desligado
Raio:
km Até onde deseja procurar, à sua volta?
Pesquisar

Compreender o ESTIGMA.

Compreender o ESTIGMA.

Vários estudos demonstram que as pessoas, em geral, apresentam grande desconhecimento sobre as doenças mentais e uma reação negativa diante pessoas com doença mental, considerando-os relativamente “perigosos”, “sujos”, “imprevisíveis” e “sem valor”.

Essa perceção inicial traduz-se em “estereótipos”, imagens, ideias concebidas sem conhecimentos suficientes ou inadequados, provocando emoções e sentimentos de “medo, desconfiança e aversão” pelos portadores de doenças mentais.

A emoção medo é a mais primitiva das emoções e tem uma importante função na sobrevivência e proteção da espécie. Todos os animais – dos insetos aos humanos – nascem com a capacidade de detetar e responder a certos tipos de perigos. Há as respostas inatas e as que se adquirem por transmissão social.

A forma como pensamos interfere na forma como sentimos e nos comportamos!

Os seres humanos não lidam bem com o “desconhecido” por representar uma ameaça “perigo”, ficam desconfortáveis e tendem a evitar a dor, levando-os a usar de preconceitos, que se traduzem em juízos de valor com sentido pejorativo como por exemplo “mau”, “feio”, e opiniões (favoráveis ou desfavoráveis) formadas antecipadamente, sem fundamento sério ou análise crítica.

Este estado de mal-estar, ansiedade e desconforto, levam a pessoa a adotar comportamentos discriminatórios, que se traduzem por exemplo em comportamentos de rejeição, distinção, ou “identificação”…como os rótulos, e ao distanciamento social da pessoa estigmatizada.

Quando nos referimos a alguém que tem uma perturbação mental como “doente”, “louco”, “esquizofrénico” (estereótipos), estamos não só a demonstrar desconhecimento…, como estamos a demonstrar os nossos valores e crenças negativas (preconceitos), para além duma atitude pouco construtiva e civilizada (discriminação e exclusão social). Estes termos são usados como rótulos sem sentido e trazem mais sofrimento para estas pessoas! Estes comportamentos alimentam o estigma.

Como saberão, os profissionais de saúde mental apoiam-se por vezes num manual estatístico de doenças mentais (DSM V) que classifica e categoriza as várias psicopatologias, dá nome às entidades patológicas, mas não é usado para classificar ou categorizar pessoas!!

O processo de desinstitucionalização das pessoas com uma doenças mentais – fecho de hospitais psiquiátricos, abertura de serviços comunitários e centros terapêuticos, tratamentos em ambulatório – veio estreitar a distância entre a saúde mental e a doença mental na medida em que a população geral fica mais exposta a contactos com pessoas com um problema de saúde mental.

Aliado a esta mudança de paradigma está um incremento de informações sobre a real situação da condição de saúde da pessoa com um problema de saúde mental, que felizmente tem contribuído para o decréscimo do estigma a esta associada.

A ideia de que os doentes mentais são violentos é muitas vezes difundida pela média (e até no discurso político “esquizofrénico”) e não encontra respaldo na realidade na medida em que, na maioria das vezes, os portadores são mais vítimas de violência que perpetradores desta.

Assim, o estigma relacionado com pessoas com um problema de saúde mental, além de associar-se a uma visão estereotipada de imprevisibilidade e violência, associa-se também à negação de direitos humanos dos portadores de uma doença, que frequentemente contribui para sua exclusão social e os coloca numa posição de desvantagem quando procuram emprego, habitação, estudos… e mesmo no acesso a tratamento.

O estigma produz efeitos nefastos no próprio em autoestigma e baixa autoestima, contribuindo para uma pior qualidade de vida. Usualmente, o estigma e a discriminação em relação às pessoas com pessoas com um problema de saúde mental estendem-se à família, amigos e mesmo a profissionais e serviços de saúde mental, observando-se também uma discriminação orçamentária da saúde mental nas políticas de saúde pública.

Todos temos uma opção…de fazer diferente!

Ariel Milton

https://www.facebook.com/arielmilton.pt/

Voltar para o Topo

Nota: Os artigos e notícias são da inteira responsabilidade dos parceiros que os escrevem e cuja identificação aparece junto aos mesmos. O Portal da Saúde Mental não interfere com as opções técnicas e científicas dos profissionais e instituições registadas no Portal.

Ao navegar neste site, concorda com a nossa política de cookies. saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close