Raio: Desligado
Raio:
km Até onde deseja procurar, à sua volta?
Pesquisar

Diagnóstico de perturbação de défice de hiperactividade ou imaturidade e falta de regras?

A sociedade vive de “modas” e as vezes os diagnósticos acompanham as ditas “modas” de forma assustadora. A chamada “chapa 5”, aquela que dava para tudo, a banha da cobra de antigamente pode ser um assustador veneno não uma cura.

O “Tio google” que leva rapidamente as pessoas a pesquisar desenfreadamente a informação, traduz-se na criação de uma falsa sensação de sabedoria. Não é de todo incomum as pessoas já levarem um diagnóstico em mente quando consultam um psicólogo. Muitas vezes só pretendem a confirmação da sua “ideia” ou teoria. Acontece com praticamente todos os pacientes quer adultos quer com os pais que diagnosticam a sua criança. Eu concordo ativamente que as pessoas procurem informação só peço é que verifiquem a veracidade das fontes. No mundo da internet existe de tudo, o bom, o razoável e o mal. Há que saber distinguir-lhos.

No caso de um suposto diagnóstico de perturbação de défice de hiperatividade temos de ter em conta, muito seriamente se” os sintomas não são apenas uma manifestação de comportamento opositor, desafio, hostilidade ou dificuldade para compreender tarefas ou instruções.” (cit DSMV). Para além destes fatores, temos de verificar se não existe uma questão de desvalorização da escola, de desmotivação ou problemáticas no contexto familiar.

Turmas demasiado grandes dividem em muito a atenção dos professores para o aluno fazendo com que não seja feito um reforço, uma valorização nas aprendizagens. O tipo de educação familiar também pode influenciar na criança alguma agitação e dificuldade em permanecer atenta e quieta. Um estilo familiar demasiado permissivo não capacita as crianças de “balizas” no seu comportamento, ou seja, elas não aprendem até onde podem ir e, portanto, não respeitam a legitimidade da figura de autoridade, neste caso, do professor. Estas crianças acabam por não “saber” se comportar, no entanto, se quiserem, conseguem ser miúdos calmos e atentos. Ora estes casos não se encaixam no diagnóstico.

Depois temos a questão da medicação. Não sou de todo contra a medicação só acho que ela deve ser ministrada depois de se ter tentado uma intervenção/terapia com um psicólogo clínico ou educacional. Existem bons programas de intervenção, específicos para esta questão com muito bons resultados finais. Muitos deles foram criados pelos próprios profissionais, baseados nos seus anos de experiência. As técnicas de redução de ansiedade, baseadas no ensino do controle da respiração produzem bons resultados no controle do comportamento. Penso que os químicos devem ser sempre o último recurso, mas se realmente tentamos outros caminhos e esses não resultaram, devemos aceder a terapia medicamentosa.

É mais fácil, à partida ministrar um comprimido que supostamente será milagroso, mas esse não é o caminho mais natural.

Temos de ensinar às pessoas a se autoconhecerem e depois, com esse autoconhecimento trilhar o seu futuro com certezas e confiança.

 

 

Sobre Marcia Abreu Carrola

Mestre em psicologia clínica. Intervenção Precoce. Psicoterapia, avaliação psicológica de crianças e adolescentes, treino de competências pessoais e sociais, programas específicos para necessidades educativas especiais, gestão de conflitos, orientação vocacional e profissional, dinâmicas de grupo, técnicas de estudo e memorização.
Voltar para o Topo

Nota: Os artigos e notícias são da inteira responsabilidade dos parceiros que os escrevem e cuja identificação aparece junto aos mesmos. O Portal da Saúde Mental não interfere com as opções técnicas e científicas dos profissionais e instituições registadas no Portal.

Ao navegar neste site, concorda com a nossa política de cookies. saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close