Raio: Desligado
Raio:
km Até onde deseja procurar, à sua volta?
Pesquisar

Escolaridade obrigatória e necessidades educativas especiais

Escolaridade obrigatória e necessidades educativas especiais

2017

 

Márcia Abreu Carrola

Psicóloga, Membro Efetivo da Ordem dos Psicólogos

Mestre em Psicologia

Pós Graduada em Psicoterapias Cognitivo-Comportamentais

safetydialogues@gmail.com e motivadam@gmail.com

 

Penso que todos nós sabemos que a escolaridade obrigatória em Portugal leva os nossos “petizes” até ao 12º ano ou aos 18 anos, se por qualquer motivo houve uma ou outra reprovação.

Também penso que todos nós vemos benefícios e desvantagens nesta obrigatoriedade. Para um menino, com um percurso sem grandes dificuldades este panorama surge como positivo e impulsionador das suas capacidades intelectuais. A grande questão levanta-se quando os meninos têm a necessidades educativas especiais. Na minha experiencia como psicóloga clinica surgem uma série de cenários de crianças e jovens que em nada foi facilitador ou impulsionador das suas capacidades. O problema coloca-se logo na sinalização e sua posterior avaliação. O percurso é demasiado longo e durante esse tempo de análise, reuniões e discussões a criança continua a se confrontar com a sua dificuldade, a sentir-se diferente, preguiçosa, burra, incapaz. Também confrontamo-nos com dificuldades “extra criança” como a reticencia e resistência que alguns agrupamentos exercem aos pais se a criança é avaliada por um psicólogo externo ao Agrupamento. Aqui cabe a todos seguir a lei e penso que não existem Universidades que formem “aqueles psicólogos ou outros técnicos que trabalham na escola versus os de instituições ou particulares. Isso é o chamado “bairrismo” e não é de todo um comportamento profissional. E mais uma vez, temos uma criança que continua a confrontar-se com as suas dificuldades sem que lhe chegue uma real e rápida ajuda neste processo. E passa-se um ano e outro ano.

Infelizmente, são muitos os casos de crianças que reprovam vários anos sem que isso seja produtivo ou eficaz para elas pois as dificuldades são reais e não uma mera “desmotivação, falta de estudo, de atenção ou de trabalho”. Passaram-se muitos anos e aquela criança, agora jovem odeia a escola porque ali sente-se burro, incapaz e por isso desiste de tentar. Aquela criança agora responde aos professores, é má educada e falta as aulas. Aquela criança aprende que se perturbar a aula chama a atenção dos colegas e professores. Aquela criança, juntamente com outras com um perfil de vida igual ou parecido, reforça, incentiva e ensina o seu grupo a, como ela, chamar a atenção dos outros. Aquela criança torna-se um jovem problemático, problematizando toda uma turma, impossibilitando a aprendizagem daqueles que querem aprender.

Surge então o encaminhar para um curso vocacional, profissional ou um Programa Integrado de Educação e Formação (PIEF) que lhe possibilite o acesso a escolaridade obrigatória.

A questão é: será que proporcionamos a estas crianças/jovens todos os recursos, condições e incentivos ao longo do seu percurso escolar? Ou será que nos deixamos “levar” pelo “bairrismo”, papeis, reuniões, processos e outros ao longo do seu percurso?

Penso que todos temos de pensar seriamente toda esta questão, para que tudo possa ser fluido, rápido e eficaz. Afinal não podemos nos esquecer que se trata de crianças, de jovens e do seu futuro.

 

 

Sobre Marcia Abreu Carrola

Mestre em psicologia clínica. Intervenção Precoce. Psicoterapia, avaliação psicológica de crianças e adolescentes, treino de competências pessoais e sociais, programas específicos para necessidades educativas especiais, gestão de conflitos, orientação vocacional e profissional, dinâmicas de grupo, técnicas de estudo e memorização.
Voltar para o Topo

Nota: Os artigos e notícias são da inteira responsabilidade dos parceiros que os escrevem e cuja identificação aparece junto aos mesmos. O Portal da Saúde Mental não interfere com as opções técnicas e científicas dos profissionais e instituições registadas no Portal.

Ao navegar neste site, concorda com a nossa política de cookies. saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close