Raio: Desligado
Raio:
km Até onde deseja procurar, à sua volta?
Pesquisar

Vamos Falar de AMOR

Vamos Falar de AMOR

Para este artigo trago-vos um tema que me é muito querido e que, aposto, vos é também a vocês.

É um tema que tem tudo de bom e tanto de controverso… mas, que todos o queremos nas nossas vidas e que muitas vezes não sabemos como dá-lo, recebe-lo e/ou mesmo lidar com ele.

O tema é: O AMOR.

Alguma vez pensaram no amor como linguagem?

Pois é, o amor é uma língua universal e possui nele uma linguagem própria, uma linguagem que é transversal a todos os seres vivos.

No ser humano, esse é o amor que vamos falar aqui, ele existe em forma de amor-próprio, romance, amizade, respeito, agradecimento, de compaixão, de pais para filhos, de filhos para pais… e tantas outras formas…

A psicologia refere vezes sem conta como o amor é o ingrediente principal que mantém a nossa máquina física e emocional a trabalhar bem e em equilíbrio.

Precisamos sentir-nos amados para que possamos agir, precisamos amar-nos para podermos seguir…

A verdade é que no mundo há pessoas que amam demais, outras de menos e depois há aquelas que sabem precisamente a quantidade certa de amor que devem dar e receber, sentir e fazer sentir e essas são as verdadeiras abençoadas porque levam desta vida um coração cheio de amor e uma alma que ama sem barreiras ou restrições.

É logo na infância que o nosso barómetro de amor começa a funcionar e dependendo se está cheio ou vazio irá ditar o tipo de pessoa que seremos e como amaremos.

Escolhi este tema porque encontrei um livro numa das pesquisas que andava a fazer e o título chamou-me a atenção: “As cinco linguagens do amor” de Gary Chapman. Mal o comecei a ler, devorei-o.

image2

Achei-o maravilhoso, uma enorme escola sobre o amor e, mesmo assim, tão pouco sobre o mesmo.

O autor apresenta-nos uma metáfora que retrata muito bem o que afirmei anteriormente sobre a infância:

“Dentro de cada criança há um ‘tanque emocional’ à espera para ser cheio com o amor. Se ela se sentir amada, desenvolver-se-á normalmente; porém, se o seu “tanque de amor” estiver vazio, ela apresentará muitas dificuldades. Diversos dos problemas de comportamento de uma criança provêm do fato do seu ‘tanque de amor’ estar vazio”.

O autor refere, ainda, que:

“A necessidade de alguém ser amado emocionalmente, no entanto, não é uma característica unicamente infantil. Ela segue-nos pela vida adulta; inclusive no casamento. Quando nos apaixonamos, temporariamente essa necessidade é suprida, mas ela torna-se um “penso-rápido” e, como acabamos por descobrir mais tarde, com duração limitada e até prevista. Após despencarmos dos píncaros da paixão, a necessidade emocional de ser amado ressurge porque é inerente à nossa natureza. Está no centro dos nossos desejos emocionais. Precisamos do amor antes de nos apaixonar e continuaremos a necessitar dele enquanto vivermos.”

Chegamos assim á maior de todas as conclusões, mil vezes já feita e comentada:

“As coisas materiais não podem substituir o amor humano e emocional.”

Isto leva-nos também à questão tantas vezes discutida sobre o facto de a nossa sociedade ser uma sociedade muito materialista e pouco… faltando-me um termo melhor “humanista”.

Com o correr dos anos, eu diria mesmo de décadas, esquecemos ou mais importante, o amor, por nós e pelo próximo. Sabemos e temos perfeita noção que a vida é feita na base de relações, contudo parece-me haver uma apatia geral para o lado dos afetos e em como as relações nos afetam a nós e á nossa maneira de estar na vida – se boas estamos bem e felizes; se más não sabemos para onde nos virar e fica em nós um sentimento de vazio e solidão.

Daí a importância do tema.

Aconselho a leitura do livro, sublinhem tudo o que vos faça sentido, pensem nas pessoas da vossa vida e descubram as linguagens de amor delas, descubram qual a principal delas e tornem as vossas relações melhores, mais duradouras, mais felizes.

P.S: o livro está mais relacionado com as relações amorosas de casal, contudo pode ser aplicado a qualquer tipo de relação.

Espero que gostem tanto quanto eu.

OBS.: TODO O CONTEÚDO DESTA E DE OUTRAS PUBLICAÇÕES FEITAS PELA PSICÓLOGA E COACH SARA VARINO TÊM UMA FUNÇÃO MERAMENTE INFORMATIVA E NÃO TERAPÊUTICA.

Sara Varino

Sobre SCV

Mulher, Psicóloga e Life Coach. Experiente em prevenção e promoção de bem-estar e saúde psico-emocional. Contacte-me.
Voltar para o Topo

Nota: Os artigos e notícias são da inteira responsabilidade dos parceiros que os escrevem e cuja identificação aparece junto aos mesmos. O Portal da Saúde Mental não interfere com as opções técnicas e científicas dos profissionais e instituições registadas no Portal.

Ao navegar neste site, concorda com a nossa política de cookies. saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close