Raio: Desligado
Raio:
km Até onde deseja procurar, à sua volta?
Pesquisar

Várias formas de sentir o Natal

 

Márcia Abreu Carrola

Psicóloga, Membro Efetivo da Ordem dos Psicólogos

Mestre em Psicologia

Pós Graduada em Psicoterapias Cognitivo-Comportamentais

@centroMotivadaMente

 

Entramos num novo ano após os tradicionais festejos. Fizemos uma incursão no interior do núcleo familiar com a comemoração do natal. Podemos não ser católicos, mas o “aparato” consumista leva todos a “sentir-se na obrigação” de juntar a família em volta de uma mesa. Claro está que a troca de presentes tem um lugar de destaque muito importante. Independentemente destes factos, sabemos que para muitas pessoas a época de natal não é uma época feliz.

Nas famílias pouco unidas e funcionais, o juntar-se a volta de uma mesa revela a insatisfação, os conflitos, os problemas familiares de sempre.

Nas famílias enlutadas, essencialmente, nas em que a perda do familiar é recente, o natal torna-se pesado, triste, negro pois lembra que a família ficou incompleta.

Para as pessoas que estão sós (e cada vez temos mais pessoas sós), o natal lembra-lhes o valor do companheirismo, da união, da família.

No fundo o natal faz-nos pensar no nosso lugar na família, no nosso lugar no mundo. É muito comum as pessoas, por estes factos e outros aqui não referidos, deprimirem-se e até atentarem contra a sua vida. O Clima frio, sem muita luz solar também não ajuda em termos desta tristeza patológica invernosa.

Passamos de ano.

Em termos psicológicos podemos até assumir um novo início, um novo eu, que tentará ultrapassar um natal menos bom, num clima invernoso do ano anterior. E assim, algumas pessoas começam a caminhar para a primavera, para um estado menos triste, menos depressivo.

Sobre Marcia Abreu Carrola

Mestre em psicologia clínica. Intervenção Precoce. Psicoterapia, avaliação psicológica de crianças e adolescentes, treino de competências pessoais e sociais, programas específicos para necessidades educativas especiais, gestão de conflitos, orientação vocacional e profissional, dinâmicas de grupo, técnicas de estudo e memorização.
Voltar para o Topo

Nota: Os artigos e notícias são da inteira responsabilidade dos parceiros que os escrevem e cuja identificação aparece junto aos mesmos. O Portal da Saúde Mental não interfere com as opções técnicas e científicas dos profissionais e instituições registadas no Portal.

Ao navegar neste site, concorda com a nossa política de cookies. saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close