Raio: Desligado
Raio:
km Até onde deseja procurar, à sua volta?
Pesquisar

Todos nós já ouvimos falar de jovens que restringem seriamente a alimentação para procurar chegar a uma imagem de corpo “ideal” e do quão é semeado nos mass media o culto da imagem corporal “perfeita”. A verdade é que, a par desses casos mais mediáticos, as perturbações alimentares podem afetar, em maior ou menor grau, pessoas de várias idades, sexos e estratos sociais.

Uma das perturbações mais comuns, ou pelo menos das mais faladas, é a da anorexia. Na anorexia, há uma sobrevalorização da forma e do peso corporal e a autoestima está muito dependente da forma como a pessoa perceciona o seu próprio corpo. Está associada a características psicológicas como o perfeccionismo, a um grande desejo de se ser magro e a um medo intenso de ganhar peso ou tornar-se “gordo”. Desta forma, a pessoa procura manter um peso corporal excessivamente baixo, diminuindo “obsessivamente” a quantidade de comida ingerida e muitas vezes praticando exercício físico excessivo.

Já na bulimia, podem ocorrer episódios recorrentes de compulsão alimentar, em que uma grande quantidade de comida é ingerida, estando associada a uma sensação de falta de controlo no momento da ingestão. É também caracterizada por comportamentos de controlo de peso excessivos, quer através de uma restrição dietética excessiva, quer com o recurso ao vómito autoinduzido ou utilização indevida de laxantes, como tentativas de regulação do peso corporal.

Existe ainda o conceito de binge eating, que corresponde a episódios de ingestão excessiva de alimentos, de forma impulsiva. Pode associar-se ao conceito de fome emocional, já que esta ingestão corresponde a uma tentativa de regulação emocional, para compensar a solidão, gerir o stress, a ansiedade, sentimentos de culpa ou de vazio com o excesso de comida. Por exemplo, comer uma caixa de gelado depois do término de uma relação romântica é uma imagem algo satirizada em filmes de comédias românticas, que demonstra que a personagem está a procurar lidar com a tristeza através da comida. Neste e noutros casos, a súbita “fome” que não tem uma base fisiológica e é direcionada à ingestão “descontrolada” de alimentos específicos (como doces ou aperitivos), gera usualmente sentimentos de culpa e/ou vergonha.

Em qualquer um destes casos, a alimentação tem uma função de tentativa de regulação de vários aspetos da vida mental – quer a imagem corporal, autoestima, gestão de emoções, tentativa de assumir controlo sobre a própria vida, etc. – o que necessariamente implica que seja um assunto de saúde mental e consequentemente, um tema que merece a procura de apoio psicológico especializado.

Ao navegar neste site, concorda com a nossa política de cookies. saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close